DOENÇAS E TRATAMENTOS

vasinhos varizes telangectasias

Vasinhos

O que são os populares “vasinhos“?

As telangectasias ou “vasinhos“ são capilares venosos, ou seja veias muito fininhas e superficiais, por isso são visíveis. São vasinhos bem finos que podem ser roxos ou vermelhos, que normalmente aparecem na face lateral da coxa, atras do joelho e porção medial da perna, mas podem aparecer em qualquer parte da perna ou do corpo, até na face! Algumas vezes uma varizes escondida pode estar nutrindo a formação dos vasinho são as veias nutridoras, tornando os vasinhos problemas mais complexos de serem tratados. Por isso é necessário uma avaliação minunciosa do cirurgião vascular para que o tratamento dos vasinhos seja eficaz. Frequentemente incomodam esteticamente e geram dúvidas sobre a sua gravidade e necessidade de tratamento.

 

Mas isso é grave?

Os vasinhos não causam dores na perna e sim, podem aumentar com o tempo,  com a gravidez e com longos períodos em pé. Os vasinhos não se transformam em varizes grossas e não tem riscos graves para saúde, porém são a fase inicial da doença insuficiência venosa crônica, ou comumente chamada de varizes.  Os vasinhos podem aparecer concomitante com as varizes mais grossas e visíveis. Se não tratados tendem a aumentar de quantidade e extensão aparente, piorando esteticamente.

 

Como é o tratamento dos vasinhos?

O tratamento mais usado para os vasinhos é a Escleroterapia, aplicações de glicose em alta concentração ou outros tipos de substâncias como as espumas, que são injetadas por meio de “picadas“ com agulhas muito finas que fazem com que os vasinhos sequem. É um procedimento seguro e simples, feito no consultório médico e não exige nenhum preparo ou repouso após as aplicações. Uma aplicação não é o suficiente para sumirem todos os vasinhos, e o aparecimento de novos vasinhos pode exigir aplicações de manutenção de tempos em tempos. Único cuidado é não expor a região das aplicações ao sol por pelo menos 15 dias para evitar manchas. Um plano de tratamento adequado, tratando eventuais veias nutridoras melhoram os resultados. Lembre-se a frase "Tratei meus vasinhos mas não adiantou nada, alguns não desapareceram e outros voltaram muito rápido" trata-se de casos que não foram tratados de forma correta e completa!! Para ter bons resultados é necessário um Plano de tratamento feito pela Vascular e focado no resultado esperado por você!!

Varizes vascular

Varizes

O que são varizes?

Varizes são veias doentes visíveis, dilatadas e tortuosas, que não desempenham bem o papel de retorno do sangue das pernas. Acontece insuficiência ou não funcionamento adequado das suas válvulas e refluxo do sangue (termos que você poderá encontrar em exames de Ultrassonografia Doppler). É uma doença muito comum, afeta 40% da população, acomete ambos os sexos, porém é mais comum nas mulheres.

 

Mas o que causa as varizes?

As varizes aparecem por uma junção de fatores como genética, hormônios, hábitos do dia a dia (como ficar muito tempo em pé parada ou sentada com as pernas pendentes o dia todo), sedentarismo, ganho de peso, durante ou após a gravidez, como sequela de uma trombose venosa profunda prévia ou por síndromes compressivas (como a Síndrome de Cockett).  

 

Como sei se tenho varizes?

As varizes em geral não dão sintomas, mas podem causar sensação de peso nas pernas, um pouco de inchaço e formigamentos. Olhando as pernas, as varizes chamam atenção como veias mais grossas que as demais. Em 15% dos casos são bem calibrosas e saltadas.

 

É perigoso? Preciso tratar?

As varizes devem ser tratadas, afinal é uma doença que só evolui com seu aumento, tanto com o aumento do número de varizes, quando o diâmetro dessas veias doentes. e pode evoluir com complicações como:

.• Sangramento das varizes: as vezes quando muito saltadas e com a pele fina em cima da varizes, pode haver sangramentos espontâneos ou ocasionados por uma batida no local das varizes. É mais comum em idosos. Não é grave mas assusta bastante quando acontece porque esse sangramento pode ser volumoso e levar o paciente ao pronto-socorro. Se acontecer com você ou com alguém da sua família, não se desespere, deite e eleve as pernas e aperte o local por uns 10 minutos e provavelmente vai parar de sangrar. Faça um curativo e vá procurar o cirurgião vascular.

• Trombose das varizes: inflamação e entupimento da varizes por um coagulo. Essas tromboses superficiais (você pode ler o nome ”tromboflebite ou flebite” no exame de ultrassom) podem progredir e atingir as veias profundas. O que é perigoso. Leia mais no Item TROMBOSE.

- Manchas e escurecimento da pele e aparecimentos de feridas: Essa é a evolução da insuficiência venosa, ou seja, aparecem nas fases mais avançadas das varizes. Quando tem varizes grossas há muito tempo. Aparecem manchas acastanhadas em tornozelos que pioram com o tempo, associada a alterações na textura da pele até o aparecimentos de feridas. 

 

Tenho varizes, e agora o que devo fazer?

Em primeiro lugar, agende sua consulta para ser avaliado e tirar todas as suas dúvidas.  Há tratamentos clínicos e cirúrgicos de vários tipos para as varizes, vamos escolher o melhor tratamento para o seu caso.

Como é feito o tratamento das varizes? Precisa operar sempre?

Felizmente temos tratamentos eficazes para os vários estágios da doença venosa crônica. Quanto antes iniciarmos o tratamento, menos complicações você terá com a doença. Inicialmente é necessário mudança nos seus hábitos de vida, como aumento de atividades físicas, repouso com as pernas para cima, perda de peso se for o caso e o uso de meia elástica quando em longos períodos em pé.

Quando as veias já estão muito comprometidas ou não há melhora satisfatória somente com o tratamento clínico inicial ou ainda quando você se incomoda com a aparência da suas pernas, o tratamento cirúrgico pode ser indicado.

 

Como é feita a cirurgia?

Quando optamos por fazer a cirurgia no hospital, você interna 2-3 horas antes da cirurgia, é operado com anestesia. Na cirurgia de varizes são retiradas, por meio de pequenos furinhos na pele, todas as veias doentes identificadas (saltadas visualmente ou pela palpação da região). Elas não fazem falta para sua circulação. O tempo e a complexidade da cirurgia depende do número e o tamanho das veias a serem retiradas. Ela é feita sob anestesia geral ou raqui (aquela anestesia de grávida para o parto) com sedação. Há também tratamentos cirúrgico de varizes com Endolaser e Radiofrequencia, que fecham a veia causadora (veia Safena) sem a necessidade de retira-las. 

 

Como são os dias depois da cirurgia?

Ao acordar da cirurgia, estará de meia elástica e já será orientada a mexer os pés e vai caminhar com ajuda, e terá alta no mesmo dia para casa! Terá orientações de caminhadas alternadas com repouso com as pernas para cima já desde o dia seguinte a cirurgia! Nada de ficar deitada, sem poder andar ou subir escada, estuda tudo liberado. Retorno ao trabalho dependerá da sua profissão, mas no máximo semana seguinte a cirurgia de varizes geralmente conseguem voltar. Ao retirar a meia verá Hematomas (roxos na pele) e inchaço leve nas pernas que aparecem no pós-operatório de varizes, mas melhoram com o passar dos dias. O tempo de recuperação varia, mas em geral é indico um repouso relativo de 3-7 dias a depender do tamanho da sua cirurgia, uso de meia elástica por 1-2 meses e evitar exposição solar por alguns meses.  Formigamento e dormência por irritação dos nervos próximos as veias podem acontecer, mas melhoram após 3-6 meses.

 

Mas Doutora, as varizes podem voltar? O que eu faço para prevenir?

As varizes retiradas não voltam (elas vão para o lixo!), porém, com o passar do tempo, novas varizes podem surgir, inclusive próximas ao lugar das varizes retiradas, dando essa impressão errada de que as varizes voltaram. Por isso o acompanhamento com o cirurgião vascular após a cirurgia é importante. Hábitos saudáveis como atividade física, evitar ganho de peso e uso de meia elástica podem ajudar na prevenção desta doença.

Trombose

Trombose Venosa

O que é a trombose?

A trombose venosa é o entupimento de um veia por um coágulo formado dentro dela. Pode ser dentro de uma veia profunda ou superficial , e pode acontecer em qualquer veia do corpo.

Quando é em uma veia superficial é chamada tromboflebite (você pode ler esse termo em alguns exames) e é menos grave. Quando em uma veia profunda é mais preocupante. As duas precisam de avaliação imediata do cirurgião vascular.

 

Quais são os sintomas?

A trombose mais comum é nas pernas e manifesta-se com dor, vermelhidão ou arroxeamento da pele e inchaço geralmente em uma das pernas (é característico ser assimétrico, de um lado só).

 

O que causa a trombose?

Pode acontecer espontaneamente com qualquer pessoa, mas é mais comum com aumento da idade, em obesos, uso de hormônios, fumantes, em quem tem câncer ou problemas no coração ou no rim, em gestantes, após grandes cirurgias ou internações e em portadores de trombofilia.

Acho que eu estou com trombose! O que eu faço?

Na suspeita procure um médico com urgência (no mesmo dia!), porque pode ser necessário realizar um ultrassom doppler da perna para descobrir se é trombose. E confirmando, é preciso iniciar o tratamento imediatamente.

 

É grave, doutora?

A trombose é potencialmente grave, SIM! A principal complicação é o tromboembolismo pulmonar (TEP) que é o desprendimento de uma parte do coagulo da perna que chega ao pulmão e entope uma parte da circulação. Na maioria das vezes o TEP é pequeno e não dá sintomas, ou é leve como um cansaço para respirar. Mas pode ser grande, precisar internar na e pode até levar a morte. Mais de 70% das tromboses tem trombos no pumão também e sem sintomas, um grande motivo para o seguimento com o cirurgião vascular.

Além do mais, uma trombose pode levar a dor, inchaço e varizes por anos, e isso é menor quando bem tratada, a chamada Síndrome Pós-Trombótica, que em casos graves podem dar úlceras varicosas.

 

E como é o tratamento?

O tratamento da trombose é feito com anticoagulantes, remédios ou injeções que afinal o sangue e evitam que a trombose atual aumente e que apareçam novas tromboses. Também é indicado repouso com as pernas elevadas, meia elástica e consultas com o cirurgião vascular.

cateter portocath quimioterapia cancer

Cateter para Quimioterapia

A colocação de cateteres venosos totalmente implantáveis (totalmente embaixo da pele) é usada para aliviar o sofrimento dos pacientes em tratamento de um câncer com quimioterapia ou algumas outras doenças crônicas que necessitam remédio na veia de forma contínua. 

Como eles são?

Esses cateteres são tubinhos finos que tem uma ponta dentro da veia e outra ponta em um pequeno reservatório em baixo da pele, geralmente próximo ao peito. Não são visíveis.

Qual a vantagem?

Sempre que for preciso tomar alguma medicação na veia ou coletar algum exame de sangue, esses cateteres podem ser puncionados no reservatório, sem a necessidade de pegar uma veia no braço do paciente, que por conta das medicações e exames de sangue frequentes, acabam sendo cada vez mais difíceis de serem achadas e usadas. É comum os pacientes com câncer, perderem as veias e levarem muitas picadas no braço sempre que vão tomar quimioterapia, com esse cateter o sofrimento é menor!!

Já com esses cateter isso não é necessário e podem durar muitos anos. Assim diminuímos o incomodo do paciente e eles podem ser retirados quando terminar o tratamento do câncer.

E como coloco esse cateter?

É colocado por meio de uma cirurgia simples e retirado da mesma forma. Precisa internar no hospital, receber anestesia local e um remédio para dormir, e após acordar da cirurgia, pode ir para casa (Sim! Alta no mesmo dia!)

Cateter Permcath para Dialise

Cateter para Diálise

Dra por que preciso de diálise?

Quando o rim não funciona adequadamente, sua função precisa ser substituída por uma máquina, é o que chamamos de Diálise. A diálise filtra o sangue e tira as impurezas que sairiam pela urina. Muitas doenças podem fazer com que o rim pare de funcionar como pressão alta, diabetes, uso de medicações tóxicas para o rim, doenças autoimunes (quando o sistema de proteção do corpo passa a atacar de forma errada as células normais do corpo),  rins policísticos e muitas outras. As vezes o rim pára de funcionar por curto período de tempo associado a uma causa aguda como uma infecção grave p.ex.

E como é feita essa diálise?

A diálise pode ser feita pelo sangue através da veia (hemodiálise) ou pela barriga (diálise peritoneal). A melhor forma é a hemodiálise, e ela também pode ser feita de 2 maneiras: por cateter (um caninho de plástico dentro da veia) ou por uma fístula arteriorvenosa (leia mais na especialidade abaixo).

 

Como é a cirurgia de implante do cateter?

Existem 2 tipos de cateter para hemodiálise: os de longa permanência (que duram muitos anos se bem cuidados) e os temporários (geralmente para casos que o rim provavelmente voltará a funcionar ou quando tem alguma infecção no sangue que precisa ser tratada antes de colocarmos um cateter permanente).  Os 2 tipos são implantados dentro do centro cirúrgico com anestesia local e uma sedação (o paciente dorme e nem vê o procedimento!), com ajuda de ultrassom  e com Raio X em tempo real, o cirurgião acha a melhor veia (em geral no pescoço) e implanta o cateter. Os permanentes costumam ter sua ponta (que liga na máquina de diálise) saindo da pele no tórax (ele passa por baixo da pele e sua saída é longe da veia do pescoço, o que diminui a infecção). Já os temporários, tem sua saída no pescoço. É um procedimento seguro e o paciente recebe alta do hospital no mesmo dia, na maioria das vezes.

 

Quais são os riscos e complicações a longo prazo?

Pode ocorrer infecção ou entupimento do cateter, que são indicações de troca do cateter.

E podem gerar trombose da veia com inchaço no braço e piora do funcionamento do cateter. Por conta dessas complicações, geralmente preferimos o uso de fístulas arteriovenosas para hemodiálise, já  que essas tem menores índices de complicações. Alguns pacientes que não

tem veia boa para fazer uma fístula, e passam anos com cateteres sem problemas! Se bem cuidados os cateteres podem ter baixos índices dessas complicações, o cirurgião vascular orienta os cuidados necessários e cuida também desses cateteres junto com uma equipe

de enfermagem especializada em diálise.

Fístula para Hemodiálise

Fístulas Arteriovenosas

Meu rim não vai bem, meu médico disse que preciso de uma fístula!

 

O que é isso?

A confecção de fistulas arteriovenosas é comunicação de uma veia e uma artéria do braço, indicada para pacientes com falência dos rins e que já precisam ou vão precisar de hemodiálise, a maquina que substitui a função dos rins doentes.

Como é a cirurgia?

É uma cirurgia geralmente pequena, com alta do hospital no mesmo dia. Com o passar das semanas, a veia operada fica saltada e após 6 a 8 semanas, a fístula já poderá ser usada.

Qual a vantagem?

Muitas vezes o nefrologista (médico que cuida dos problemas dos rins) pode pedir que seja confeccionada a fístula antes mesmo de precisar de hemodiálise, o que é muito bom para o paciente já que a fístula proporcionará ao paciente o melhor acesso para realização da diálise quando necessário, ela tem menos associação com infecção e trombose de veias grandes quando comparada com uso de cateteres venosos para hemodiálise. Não há cateteres saindo da pele.

Como é o cuidado com a fístula?

A fístula não tem tempo limite para sua utilização, porém com o passar dos anos as fistulas podem trombosar ou evoluírem com estenoses com piora do fluxo ou inchaço do braço. Nesse momento é necessário procurar um cirurgião vascular com urgência. Há casos de salvamento de fístulas,  porém muitas vezes é necessário a confecção de uma nova fístula. Qualquer suspeita de problemas na sua fístula, procure vascular imediatamente!

Entupimento da circulação, placa de gordura

Aterosclerose

O que é Aterosclerose?

É a formação de placas de gordura e cálcio dentro das artérias, que progressivamente vão estreitando esses vasos, dificultando o fluxo do sangue até o seu completo entupimento!

É um termo que você ler nos laudos de seus exames de doppler ou tomografia!

É uma doença que pode acometer qualquer artéria do corpo, mas o que o mais nos preocupa são essas placas nas artérias mais importantes como: as artérias responsáveis por levar sangue para o cérebro (as carótidas), elas podem causar um AVC ou um derrame; nas artérias do coração (as coronárias), que pode causar um infarto; as artérias da circulação das pernas, que podem levar a queimação na batata da perna ao caminhar ou subir ladeira, dificuldade de cicatrizar feridas ou até a necrose um dedo do pé; as artérias que levam sangue p intestino, que pode causar dor muito forte na barriga após alimentar e perda de peso; e na aorta (o maior vaso do corpo humano), que pode jogar sujeiras para circulação da perna, ou obstruir a circulação do rim ou do intestino.

 

Mas porque essas placas surgem?

São a consequência de pressão alta, diabetes, colesterol alto, obesidade e fumar, alimentação com muita gordura e açúcar, genética, sedentarismo! Mal controle dessas condi​ções tendem a piorar essas placas de aterosclerose ou ateroma.

 

É grave? Precisa operar?

Depende do grau de entupimento e da artéria que está afetada pela aterosclerose! A maioria dessas placas de aterosclerose não causa entupimentos graves nessas artérias importantes já mencionadas e por isso não precisa operar. Elas podem ser tratada com remédios para diminuir a velocidade de progressão da aterosclerose, que podem ser acompanhadas com exames frequentes solicitados e avaliados pelo cirurgião vascular! Caso tenha uma piora que coloque o paciente em risco, a cirurgia pode ser necessária.

 

É possível prevenir?

SIM, podemos prevenir a aterosclerose e podemos controlar seu crescimento!! Controle da pressão e da diabetes, atividade física e alimentação saudável. Com o uso de remédios para controlar o colesterol e afinar um sangue podem ser indicados. Mas é necessária uma avaliação do cirurgião vascular.

Entupimento da ciruculação, derrame, AVC, paralisia, fala enrolada, desvio da boca

Estenose de Carótidas

O que são as carótidas?

As artérias carótidas estão localizadas no pescoço bilateralmente e são responsáveis por levar o sangue para a maior parte do cérebro. Quando colocamos o dedo na lateral do pescoço, sentimos a pulsação das carótidas! Elas são muito importantes!

O que é estenose de carótida?

O surgimento de placas de gordura nas carótidas pode levar a redução do fluxo de sangue nessas artérias. que chamamos de Estenose de Carótida.  Essas placas de gordura são chamadas de aterosclerose (leia mais no tópico acima). Não dá sintomas enquanto pequenas e iniciais, mas essas placas de gorduras podem fragmentar ou juntar “sujeiras“ que podem ser empurradas pelo fluxo sanguíneo para o cérebro causando o AVC (acidente vascular cerebral) ou o popularmente chamado “derrame“.

O que é AVC ou derrame, doutora? É grave?

São sinais de AVC o adormecimento e paralisia de um lado do corpo, desvio da boca (“boca torta“), dificuldade de falar, desmaio, sonolência grave ou confusão mental. Esses sinais podem durar desde minutos (transitórios) até dias ou por longos períodos, deixando sequelas muitas vezes para o resto da vida!

Nossa, doutora! Como faço para evitar um AVC?

Quanto maior é a placa de gordura maior o risco de causar o AVC, e mais grave e permanentes podem ser as sequelas neurológicas. Nem todos os AVCs são causados por doença nas carótidas, mas o acompanhamento de placas ou estenoses carotídeas é necessário e medicações podem ser usadas para diminuir a progressão/aumento das placas. Quando o estreitamento causado pela estenose de carótida é muito acentuado pode ser necessário tratamento cirúrgico vascular, que pode ser por meio da cirurgia convencional (endarterectomia de carótida) ou cirurgia endovascular (por cateterismo, angioplastia de carótida com stent).

Oclusão arterial crônica da circulação das pernas

Problema na Circulação das Pernas

A oclusão arterial crônica dos membros inferiores é o estreitamento ou entupimento progressivo da circulação da perna por placas de gordura e cálcio (aterosclerose).

Quais os sintomas?

Depende do grau do comprometimento desse problema de circulação das pernas! Em geral, não dá sintomas! Pode achar umas placas desses nas artérias, mas elas não chegarem a entupir a circulação, não ter muita repercussão no fluxo do sangue. Porém com a piora progressiva, pode levar a dor na panturrilha ou na coxa para correr, subir ladeiras, e com a piora da doença o paciente refere dor para caminhar distancias cada vez menores. Isso se chama claudicação intermitente, é a dor tipo queimação na perna para caminhar ou subir ladeiras/escadas, que ao parar, e ficar uns minutos em repouso parado ela some, e quando volta a andar, depois uma distância a dor volta de novo!

Na fase mais avançada da doença, essa dor  pode ser forte e surgir em repouso/parado, pode ter dificuldade para cicatrizar feridas ou infecções nos pés/pernas, os dedos podem ficar roxos ou até escurecidos. Quando machucamos o pé ou pegamos um infecção, o local precisa receber 7x mais sangue para ter uma cicatrização adequada, mas como o caminho principal do sangue está fechado (vasos entupidos), a cicatrização não acontece e piora ainda mais a perfusão da região afetada! Essa fase é grave!! Precisa de um cirurgião vascular com urgência, porque um dedo roxo ou preto é um sinal de alerta de risco de perder o membro! Sim, risco de amputação!

 

Mas por que entope a circulação?

Por vários fatores como pressão alta, obesidade, diabetes, colesterol alto, algumas doenças autoimunes, mas o mais importante é o TABAGISMO! Todos esses fatores contribuem para formação de placas de gordura dentro da circulação (leia mais aterosclerose). Precisa parar  de fumar imediatamente!  Se continuar fumando, o risco de amputação é cada vez maior!

 

Tem tratamento?

Claro! Primeiro, parar de fumar, controlar a pressão e o diabetes e ter uma alimentação saudável! Caminhadas diárias de no mínimo 30 minutos pode dia em uma velocidade moderada é o melhor tratamento para fase inicial da doença! Por mais que tenha dor, continue caminhando para ensinar para musculatura da perna e viver com menos sangue, e com o tempo estimula a formação de caminhos alternativos para sangue, substituindo o caminho principal que está entupido! Além disso remédios como o AAS e as estatinas (sinvastatina ou atorvastatina) são indicados para diminuir a progressão dessas placas que levam ao entupimento da circulação.  Consultas frequentes no cirurgião vascular ajudam no tratamento e facilita na identificação de qualquer pior ou lesão na pele.

Já na fase avançada a cirurgia pode ser necessária! Ela pode ser feita por cateterismo com uso de stents e balões para abrir os vasos por dentro. Ou pode ser necessário uma cirurgia convencional, as famosas “pontes de safena“ (um caminho alternativo para o sangue passar, pulando o trecho entupido). Depende do caso, por isso converse com o cirurgião vascular e tenha um acompanhamento adequado!

Dilatação da aorta. Aneurisma. Dor abdominal

Aneurisma de Aorta

O que é um aneurisma?

Aneurisma é qualquer dilação de uma região de um vaso além de 50% do seu tamanho habitual e pode acontecer em diversos vasos do corpo. Essa dilatação é progressiva causada pela força da pressão do sangue na parede doente do vaso.

O aneurisma de aorta é o que mais nos preocupa porque a aorta é o maior vaso do corpo humano com um grande fluxo de sangue.

O que sentiria se tivesse um aneurisma na aorta?

Nada! O aneurisma de aorta é uma doença geralmente silenciosa, que é descoberta em um exame de imagem realizado por outros motivos quaisquer ou pelo próprio paciente ou médicos ao palpar a barriga sentindo uma “bola que pulsa“.

Mas o ANEURISMA DE AORTA é grave , Doutora?

SIM, aneurisma de aorta é uma doença potencialmente GRAVÍSSIMA, pode ser inclusive FATAL!! Apesar de não sentir nada, é precisa muita atenção e fazer o diagnostico precocemente! O aneurisma funciona como uma bexiga, quanto mais enche, maior fica, sua parede fica mais fina até que pode chegar a estourar. Quando rompe, o aneurisma de aorta pode levar a morte em mais de 90% dos pacientes (é uma causa de morte súbita), e muitas vezes não dá tempo de ir até o hospital e receber o melhor tratamento possível. Além disso, os aneurismas podem embolizar, ou seja, soltar “sujeiras/coagulos“ e pode fechar da circulação das pernas ou do intestino, piorando todo o quadro! Quando seu crescimento é acelerado pode dar dor na barriga!

Então o aneurisma de Aorta precisa ser operado de urgência?

Após o diagnostico deve ser discutido a necessidade do tratamento cirúrgico imediato ou acompanhamento com exames. Essa decisão é feita com base no diâmetro máximo do aneurisma, que esta diretamente associado ao risco de ruptura do aneurisma, sua principal complicação. Como o crescimento do aneurisma geralmente é lento, se ele for pequeno o risco de romper é baixo e por isso não vale a pena correr os riscos da cirurgia, nesses casos que não optamos por operar, fazemos seguimento com exames de imagem a cada 6m-1ano a depender do seu estágio!

E como é a cirurgia?

A depender do diâmetro é indicado o tratamento cirúrgico, que pode ser feito com cirurgia aberta (corte na barriga) ou endovascular (por cateterismo pela virilha). Essa decisão é feita com base na idade, anatomia particular dos vasos de cada paciente com aneurisma de aorta (o tamanho e formato do vaso) e os outros problemas de saúde do paciente. Todos esses fatores nos ajudam a escolher o melhor tratamento individualmente para cada paciente.

Mas se não sente nada, como vou saber se tenho ou se meu pai tem aneurisma da aorta?

É recomendado pesquisar com exames incluídos no Checkup Vascular, em exames de rotina o aneurisma de aorta pode ser descoberto! A Sociedade Brasileira de Cirurgia Vascular indica essa pesquisa ativa em todos os homens com 65 anos ou mais (alguns dizem a partir dos 50 anos), principalmente tabagistas, hipertensos e com histórico familiar. Procure um cirurgião vascular! Alerte quem está próximo de você para esse problema silencioso.

Endovascular - Cateterismo, cirurgia pela virilha, cirurgia com Rx, endovascular, procedimentos minimamente invasiva

Tecnica Cirúrgica Endovascular

A técnica ENDOVASCULAR é a cirurgia feita pela virilha por cateterismo. Por uma picada ou um corte na virilha ou no braço, colocamos fios bem finos de metal e cateteres (tubinhos de plástico) dentro do vaso e, com a ajuda de raio X em tempo real e infusão de líquidos que servem de contraste, conseguimos resolver as obstruções ou os aneurismas por dentro (endo) do vaso(vascular), de forma Endo + Vascular= Endovascular!).

 

Colocamos stent ou próteses na luz do vaso, que ficam presos na parede de dentro do vaso, resolvendo algumas das doenças vasculares de forma endovascular. São cirurgias grandes e importantes também, porém sem cortes grandes na pele. A técnica endovascular tem menos impacto no corpo, na maioria das vezes impõe riscos cirúrgicos menores do que a cirurgia aberta. Mas a técnica endovascular não é uma opção sempre! Depende muito de cada caso, de que doença vascular vai ser tratada, em que vaso e em que local do vaso está o problema e da anatomia pessoal do pacientes em questão! Quando possível a técnica Endovascular é uma excelente opção!

Inchaço, edema, aumentoda perna, retenção de liquidos

Linfedema

O que é Linfedema?

Linfedema é uma doença crônica que se manifesta pelo acúmulo de líquidos e alterações teciduais ocasionados por uma insuficiência da circulação linfática, que são os finos vasos responsáveis por carregar e drenar os líquidos dos tecidos, que o diferencia do inchaço provocado por outros problemas de saúde.

Quais são os sintomas?

No linfedema, ocorre um aumento progressivo do volume do membro (perna ou braço) com importantes repercussões funcionais e estéticas, alterando a qualidade de vida destes pacientes. Inchaço importante causado pelo Linfedema é de difícil regressão, muitas vezes necessitando tempo grande com membros elevados e técnicas de compressão para uma redução mesmo discreta do tamanho da perna/braço. 

Mas qual é problema? É grave?

Além da aparência da perna, e dificuldade para achar calçados e roupas adequadas, o linfedema diminui a proteção da pele, aumentando a ocorrência de infecções como erisipela, infecção de pele que leva a vermelhidão, pele quente, dor, bolhas na pele e piora progressiva do inchaço da perna ou do braço. Cada erisipela que o paciente vive, há piora do linfedema por destruições de mais vasos linfáticos. O linfedema também leva a alterações de pele, ficam mais grossas, com ondulações, algumas bolhas podem "minar" água, e podem aparecer manchas escurecidas. Úlceras podem aparecer e ser de difícil cicatrização nos pacientes com linfedema. Em casos avançados, podem provocar restrição de alguns movimentos, piorando bastante a qualidade de vida por dificuldade de movimentação.

Como é o tratamento?

Antibióticos quando necessários em casos de erisipelas associadas com Linfedema, infecções recorrentes. Meia elástica, drenagem linfática, elevação do membro e seguimento com o cirurgião vascular são de suma importância para compensação do Linfedema. Hoje em dia, há modernos tratamentos compressivos e de drenagem especializada desses líquidos para melhorar qualidade de vida desses pacientes. 

hiperidrose, axilar, Suor excesso, muito suor, molhar camiseta

Hiperidrose

Doutora, MEU SUOR NÃO É NORMAL!!. Eu molho o caderno ao escrever, tenho vergonha de cumprimentar as pessoas com a mão, não consigo usar chinelos ou sandálias porque o suor do pé molha e eu escorrego. Me sinto constrangida pelo suor excessivo e mal cheiro em baixo do braço, uso somente roupas pretas para não aparecer!

O que eu tenho?

Você tem um problema chamado Hiperidrose! É o aumento excessivo do suor, não associado ou desproporcional ao calor ou a atividade física. Ocorre mais comumente nas mãos, pés e axilas, mas ocorrer também na face, costas, barriga, virilha ou ser genelizado (em todos os locais). Geralmente, inicia na infância e adolescência. Quando inicia na fase adulta, devemos descartar outras doenças que podem levar ao aumento do suor, como problemas na tireoide e hormônios.

É grave?

Depende do que se entende por gravidade! Para quem tem hiperidrose é sim um fato grave, pode ser a pior coisa na vida, a qualidade de vida é ruim por constrangimentos frequentes, dificuldade social e profissional, as crianças sofrem bullying, os adolescentes tendem a se fechar para relacionamentos e programas que envolvam atividade física ou muito contato por vergonha ou por serem estigmatizados. Regiões de dobras podem ter problemas nas peles, como micose, vermelhidão, fissuras. Pode desencadear depressão e transtornos de ansiedade. Mas não leva a problemas graves de saúde como desidratação, problemas nos rins ou outros fatores de ameaça a vida..

Tem tratamento?

SIM hiperidrose tem tratamento, e é simples! O principal tratamento é o uso continuo de um remédio tomado por boca que faz diminuir o suor do corpo!  É ótimo e mais de 90% dos pacientes relatam melhora do suor e da qualidade de vida! O efeito colateral principal é a boca que fica mais seca, mas não piora a função do rim ou qualquer outro órgão importante. Associado a ele podemos prescrever desodorantes e cremes especiais! Aplicação de botox é um tratamento útil para regiões menores, porém acaba saindo caro o tratamento por ter que reaplicar a cada 3-6 meses para ter efeito.

E a cirurgia? Já ouvi falar!

Sim, o nome da cirurgia para hiperidrose é Simpatectomia! Já foi durante muito tempo o principal tratamento para essa doença, mas não é para todos os casos e tem um problema grande, ela pode levar ao aumento do suor em lugares antes normais, chamamos de Hiperidrose Compensatória! Esse aumento na maioria das vezes é discreto mas pode muito grande, piorando ainda mais qualidade de vida! Seca mãos e na axila, por exemplo, mas começa a suar muito na barriga, costas e nas pernas, a ponto de ter que trocar de roupa mais de uma vez por dia!! ë difícil querer correr esse risco né? Por isso hoje a primeira escolha é sempre o remédio!! Hoje a cirurgia é indicada no insucesso do tratamento com remédios.

CLÍNICA

Unique Espaço Médico

Rua Oscar Freire, 1.431 - Cj105

Pinheiros - São Paulo - SP

Contato para dúvidas e agendamento:

Tel.: (11) 30634131

Cel.: (11) 94306 0066

  • Instagram
  • Facebook

CONTATO

Deixe um comentário sobre seu atendimento com a Dra. Dafne Leiderman e aproveite para ver todos os reviews de seus pacientes.

© 2018 by Flavia Cury www.flaviacury.com